UEMA realiza o II Seminário de Lengua y Literatura Hispanoamericana

IMG_0979

Com o tema “Um mosaico chamado América Latina”, a Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), por meio do Departamento de Letras e da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis (PROEXAE), realizou na tarde de ontem (05), no auditório do Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais (CECEN), a abertura do II Seminário de Lengua y Literatura Hispanoamericana (SELLIH).

A mesa de abertura contou com a presença da diretora do Curso de Letras, professora Mary Joice Paranaguá Rios; do chefe do departamento de Letras, professor Iran de Jesus Rodrigues dos Passos e da coordenadora do evento, professora Jeanne Sousa da Silva.

De acordo com a coordenadora do evento, professora Jeanne Sousa da Silva, o objetivo do II SELLIH é aproximar o universo acadêmico da Língua Espanhola, não só na questão cultural mas, sobretudo, na discussão dos estudos de pesquisa sobre a Língua e Literatura, e o que está sendo produzido na América Latina.

“É de grande importância qualquer tipo de debate em relação a Língua Estrangeira, visto que aqui no Maranhão esses encontros acadêmicos são escassos. Além disso, esse evento preenche uma lacuna que existe no estudo da Língua Estrangeira, sobretudo da Língua Espanhola, principalmente no cenário político que estamos vivendo. Os alunos podem discutir fora de sala de aula conteúdos importantes, conhecendo outras visões, dialogando e interagindo com outros cursos”, destacou professora Jeanne Sousa da Silva.

IMG_0995 (1)A palestra de abertura intitulada, “Diálogos entre a história e a literatura hispano-americana” foi proferida pelo professor José Henrique de Paula Borralho. O II SELLIH contou com uma programação variada, com palestras, minicursos, comunicações orais, apresentações culturais e exposição de livros e será finalizado hoje (06), às 19h, com a palestra “Macondo e a América Latina: O universo mágico de Gabriel García Márquez”, ministrada pelo professor Herbert Micael de Araújo.

A ideia do evento foi homenagear o clássico Cien años de soledad, do renomado escritor colombiano Gabriel García Marquez, utilizando-o como referência para discussão sobre a representatividade dessa obra para a literatura hispano-americana.

Por: Karla Almeida

Fotos: Rafael Carvalho

Compartilhar.