Seminários na UEMA refletem sobre os caminhos da graduação e de formação de gestores


Por em 24 de abril de 2018



Gestores da UEMA na abertura dos seminários

Gestores da UEMA na abertura dos seminários

Essa segunda à tarde, 23, foi marcada pelo início dos seminários Caminhos da Graduação: a Busca pela Excelência e II Segundo Seminário de Formação de Gestores, que estão ocorrendo simultaneamente e de forma inter-relacionada no auditório do prédio de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual do Maranhão, Centro Histórico de São Luís. O evento segue até a quinta, 25, com mesas redondas, palestras e oficinas.

As atividades foram organizadas pela Pró-Reitoria de Graduação – PROG e Pro-Reitoria de Planejamento – PROPLAN. O foco dos seminários são as discussões atuais que colocam o Ensino Superior cada vez mais atrelado às mudanças sociais da contemporaneidade, configurando-se como uma das estratégias para ampliar o espaço do ensino e viabilizar o debate entre professores, discentes, gestores e comunidade acadêmica em geral.

A pró-reitora de graduação, Andrea de Araújo, frisou que esse é um grande momento para a graduação, que deve ser sempre firmado no tripé ‘ensino, pesquisa e extensão’. Lembrou ainda que esse momento deve ser visto como um cumprimento de dever, além de ser um momento de ouvirmos a toda a comunidade acadêmica. “Esse olhar e essa construção coletiva é necessária para pensar no contexto que estamos e para o futuro da graduação. Por isso pensamos esse evento para ser algo inovador, realista e exequível. É a hora de envolver e empoderar os grupos que fazem a graduação na UEMA”, destacou.

Roberto Serra, pró-reitor de planejamento, ressalta a necessidade de se criar um espaço onde todos os gestores da Universidade, tanto de São Luís quanto dos demais Campi, possam juntos refletir sobre a condição atual da UEMA, projetar um futuro desejável e encontrar os meios necessários para realização dos resultados que almejam.

“Estamos convictos que o empenho da instituição, em todos os anos, está diretamente relacionado com a atuação dos gestores. Em linhas gerais, quanto maior a qualificação e melhor atuação no trabalho, melhores serão os resultados obtidos. Então, quanto mais nós fortalecermos a qualificação da gestão dentro da Universidade, mais esperamos que os resultados ocorram”, enfatizou o pró-reitor de planejamento.

O reitor da UEMA, Gustavo Costa, ponderou que os dois seminários se articulam e se propõem a refletir sobre os caminhos da graduação e de formação de gestores.
Sendo esse momento fruto de uma comunidade acadêmica vibrante, participativa e ativa. “Espaço criado para reflexão e proposição, com ampla participação de gestores da UEMA. O que pretendemos alcançar com um evento nesse formato? É certo que devemos perseguir a excelência sem qualquer forma de exclusão. É possível ter cursos de graduação e de pós-graduação de qualidade e ampliar o acesso a UEMA a quem precisa. Que ao final possamos criar um grande sentimento coletivo de grande reafirmação dos propósitos da UEMA e compreender o seu papel, cada vez mais relevante no Estado do Maranhão”, concluiu.

Os Desafios da Avaliação em Contexto de Expansão e Inclusão

Diretor de Políticas do MEC

Diretor de Políticas do MEC

A palestra de abertura “Os Desafios da Avaliação em Contexto de Expansão e Inclusão”, foi proferida Diretor de Políticas do MEC, Prof. Dr. Divo Ilvo Ristoff. Um complexo cenário da graduação no Brasil foi apresentado pelo professor. Ele mostrou, entre outras análises, o contexto existente entre a qualidade institucional, dos cursos e dos alunos e as políticas de inclusão e expansão adotadas nos últimos anos, por meio de programas como PROUNI (Programa Universidade Para Todos), FIES (Programa de Financiamento Estudantil) E SISU (Sistema de Seleção Unificada).

“A expansão, como um todo, é positiva, principalmente a que se deu via inclusão no Brasil. A expansão não veio em detrimento da qualidade, os alunos do PROUNI, por exemplo, têm um desempenho superior aos os não prounistas, em todas as edições do ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes ). Então, afirmo que a expansão não veio prejudicar a qualidade do ensino, pelo contrário, trouxe melhores alunos para a educação superior privada. Já na educação superior pública, temos muitos estudos que mostram que o desempenho dos cotistas é tecnicamente igual ao desempenho dos não cotistas. O que significa que muitas dessas pessoas estavam fora da universidade por um razão única: eram pobres ou moravam no interior, distantes das oportunidades de acesso. Logo, a expansão via inclusão foi muito benéfica para o país, o que não significa que não haja problemas. Mas, a busca por melhoria deve ser constante”, sublinhou.

Por: Walline Alves

Fotos: Rafael Carvalho



Últimas Postagens - Array / noticias-uema