UEMA e AGED encerram Curso de Bases de Controle de Parasitos de Bovinos

mesa de encerramento

Com o objetivo de dialogar e conscientizar sobre a importância de realizar o controle de parasitos, a Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), por meio do Programa de Pós-graduação Profissional em Defesa Sanitária Animal, em parceria com a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged-MA), realizaram o Curso de Bases de Controle de Parasitos de Bovinos. Além disso, o Curso foi a primeira fase de implantação do Programa Estadual de Controle de Parasitos no Estado do Maranhão.

Durante o encerramento, que aconteceu ontem (6), o coordenador geral de Sanidade Ambiental do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Jorge Caetano Júnior, tratou sobre a importância de planos estaduais de controles de parasitos para o Brasil.

“O Curso surgiu para a discussão desse tema e foi coroado com a formalização do Programa Estadual de Controle de Parasitos, publicado no diário oficial do Estado. O MAPA tem os seus programas que são federais, mas isso não impede que os Estados possam instituir seus próprios programas tidos como prioridades do ponto de vista estadual. Na verdade, os estados devem fazer isso, pois tem essa prerrogativa. As parasitoses no estado que tem cinco biomas diferentes, como no estado do Maranhão, tem uma importância muito grande, talvez mais do que outras unidades da federação, por isso precisa desse tratamento. Portanto, a criação desse Programa foi uma excelente iniciativa em âmbito estadual e o MAPA está à disposição para colaborar com seu êxito”, destacou Jorge Caetano.

O professor do Programa de Pós-graduação Profissional em Defesa Sanitária Animal, Daniel Prazeres Chaves, destacou que o objetivo do Curso foi de sensibilizar para uma nova fase da defesa sanitária. “Entendemos que é necessário que seja organizado e efetivado um plano de controle estadual, pois existem dados estatísticos que o Maranhão perde uma média de um bilhão e meio de reais por ano por causa dos prejuízos causados pelos parasitos. Além disso, a diversidade de biomas existente necessita desse controle, pois parte do ciclo dos parasitos é realizado no meio ambiente”.

A coordenadora do Programa de Pós-graduação Profissional em Defesa Sanitária Animal, Viviane Correia Coimbra, enfatizou a importância de dialogar sobre esse assunto com profissionais e pesquisadores da área, pois, com isso, é possível realizar o controle e reduzir as perdas na produção. “Temos que fazer esse diálogo científico e, depois, conscientizar o produtor de como ele pode ganhar colocando em prática essas ações”, pontuou.

O curso teve como público alvo servidores da Aged e alunos das pós-graduações em Defesa Sanitária Animal, Ciência Animal e Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal – Rede Bionorte. Alunos da graduação também participaram do curso como ouvintes.

Além de palestras, o evento contou ainda com mesa redonda e visita técnica ao IFMA.

Por: Karla Almeida

Fotos: Rafael Carvalho

Compartilhar.